Actualidade

Mais de 600 condutores multados por uso do telemóvel durante a condução

Mais de 600 condutores foram multados por uso indevido do telemóvel durante a condução no âmbito da operação “Smartphone, Smartdrive” que terminou no domingo, anunciou hoje a Guarda Nacional Republicana (GNR).

Em comunicado, a GNR adianta que entre os dias 06 de 12 de maio intensificou nas estradas portuguesas da sua área de jurisdição a fiscalização ao uso indevido do telemóvel durante a condução, tendo fiscalizado 29 mil condutores e registado 9.947 contra-ordenações rodoviárias.

Das 9.947 contra-ordenações registadas, 649 foram autuados por uso indevido do telemóvel, 2.522 por excesso de velocidade, 603 por falta de inspecção periódica obrigatória e 538 por anomalias nos sistemas de iluminação e sinalização.

A GNR multou também 441 condutores por falta ou incorrecta utilização do cinto de segurança e/ou sistema de retenção para crianças e 243 por falta de seguro de responsabilidade civil obrigatório.

No mesmo período foram ainda detectados 427 condutores com excesso de álcool, dos quais 191 foram detidos por condução com uma taxa de álcool superior a 1.2 gramas por litro (g/l) e 51 por falta de habilitação legal para conduzir.

A GNR adianta que a operação “Smartphone, Smartdrive” visou “contribuir para a diminuição do risco de ocorrência de acidentes e para a adopção de comportamentos mais seguros por parte dos condutores”.

Entre 01 de Janeiro e 30 de Abril, a GNR detectou cerca de nove mil condutores a fazer uso indevido do telemóvel a conduzir e em 2018 foram mais de 22 mil os que cometeram aquela infracção.

A GNR recorda que a “utilização incorrecta e o manuseamento de telemóveis, “tablets”, ou dispositivos similares, para a realização de chamadas, envio de mensagens escritas ou consulta de redes sociais, durante a condução acarreta riscos associados: distracção visual (tira os olhos da estrada), limitação motora (tira as mãos do volante) e condicionamento cognitivo (distracção na condução)”.

A condução distraída é, segundo a GNR, um factor de risco que tem sido objecto de uma atenção crescente nas políticas de segurança rodoviária.

A GNR lembra que a “Comissão Europeia, no Plano de Acção para a próxima década (2020-2030) destacou a condução distraída como um dos principais comportamentos de risco para a segurança rodoviária, bem como a velocidade excessiva, a não utilização do cinto de segurança ou capacete e a condução sob efeito do álcool ou substâncias psicotrópicas”.

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close