ReportagemSalvaterra de Magos

Reportagem: A sede do Clube Amador de Pesca da Glória é pública, privada ou …

A Reportagem continua a ser o género mais nobre do jornalismo. E esta que que vamos publicar começa de uma forma, como começam tantas outras. Não é uma “TEIA” de uma grande aranha, como a que rebentou no Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto e os autarcas de Barcelos e Santo Tirso. Mas é uma “Teia” de um aranhiço peçonhento que teima em querer ter todas as associações, clubes e colectividades do concelho de Salvaterra de Magos, do seu lado.

Mas esta “Teia” que o “Ribatejo News” torna pública hoje, poderá trazer alguns dissabores para o presidente da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos e especialmente para o presidente do Clube Amador de Pesca da Glória do Ribatejo, Custódio Dias Nunes Gomes, que se recusou responder às perguntas que lhe foram enviadas via email.

Este trabalho jornalístico começou em meados do mês de Junho de 2018, quando um sócio do Clube Amador de Pesca da Glória do Ribatejo (que solicitou o anonimato!) deixou a cópia do ofício que o presidente da colectividade enviou ao senhor presidente da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, Hélder Manuel Ramalho de Sousa Esménio, no dia 8 de Maio de 2018, com a seguinte mensagem:

– «Como o senhor é um jornalista como muitos anos de experiência, veja bem como é que o presidente do Clube de Pesca da nossa terra dispensa a sede que tínhamos no hotel Jackson, sem nunca ter ouvido a opinião dos sócios. Aliás, desde que faleceu o nosso companheiro Arlindo que nunca mais se fizeram Assembleias Gerais e muitos sócios começaram a apresentar a demissão. O Clube de Pesca é controlado por duas pessoas: o presidente e o tesoureiro. Eles fazem tudo o que querem e ainda lhes sobra tempo. Investigue e faça a denúncia no “Notícias de Salvaterra”.»

Esta é a cópia do ofício que recebi na caixa de correio em meados do mês de Junho de 2018

Confesso que nesta altura não liguei muita importância a esta mensagem nem ao ofício, mas decidi guardar. Uns meses mais tarde começo a ouvir na vila que a maioria dos pescadores se tinham demitido pois não estavam de acordo com as decisões de Custódio Dias Gomes.

Volto a consultar o ofício que me tinham deixado na caixa de correio e percebo que tinha havido uma reunião no dia 5 de Janeiro de 2018, entre a direcção do Clube Amador de Pesca e o presidente da Câmara Municipal, onde se tinha falado na hipótese de a associação poder vir a adquirir um edifício para a futura sede social.

“Findo este processo informamos vossa excelência que abdicamos do espaço de tínhamos no hotel Jackson para uso próprio desta associação estando livre para o senhor utilizar”, informa o presidente do Clube de Pesca o presidente Hélder Esménio.

E é através deste ofício que também ficamos a saber que já nesta altura o vereador Noel Caneira está informado de todo este processo que gera muito descontentamento na maioria dos associados do Clube Amador de Pesca da Glória. Por isso é que muitos deles se demitiram. Outros continuam sócios mas não participam nas actividades.

Depois ficamos a saber que o Clube Amador de Pesca tinha feito um contrato de arrendamento com a proprietária do terreno onde acabou por ser feita a sede da associação:

Cópia do Contrato de Arrendamento do Prédio Misto onde se encontra a nova sede da associação

E para que não restem dúvidas, neste contrato de arrendamento aparecem a representar o Clube Amador de Pesca o presidente Custódio Dias Nunes Gomes e o tesoureiro Silvestre Nunes Caneira. A mensalidade a pagar era de 60 euros.

Os protocolos com a Câmara Municipal

No dia 25 de Fevereiro de 2019, o presidente Hélder Esménio publicou a seguinte mensagem na sua página pessoal do Facebook:

«Quero Felicitar os dirigentes e associados do Clube Amador de Pesca da Glória do Ribatejo pelo excelente trabalho que estão a fazer, com o apoio da Câmara Municipal, na sua futura sede social.»

Na reunião de Câmara do dia 20 de Junho de 2018 e ao abrigo do Regulamento Municipal de Apoio ao Associativismo Local, foi aprovado o primeiro protocolo de cooperação entre o município de Salvaterra de Magos e o Clube Amador de Pesca da Glória do Ribatejo,  onde uma vez mais aparecem o presidente e o tesoureiro a representar a colectividade gloriana.

E como o Clube Amador de Pesca ia proceder a obras de conservação de interiores da sua sede, nomeadamente a colocação de chão, a Câmara Municipal comprometeu-se a prestar a comparticipação financeira de 528,54 Euros.

Mas como no âmbito das suas atribuições, o Clube Amador de Pesca compete em provas e organiza as suas actividades desportivas, o município comparticipou com mais 500 Euros.

Na reunião de Câmara do dia 19 de Setembro de 2018, foi aprovado o segundo protocolo com o Clube Amador de Pesca, pois a associação estava a fazer trabalhos de recuperação da sua sede e havia a necessidade de efectuar a ligação à rede de saneamento básico e electricidade, assim como outros trabalhos de carpintaria. E o município comparticipou com 350 Euros.

O bar da nova sede do Clube Amador de Pesca da Glória Foto: H.E – D.R

Antes, no dia 11 de Setembro de 2108, o presidente do Clube Amador de Pesca tinha enviado um ofício ao senhor presidente da Câmara a solicitar mais apoio da autarquia salvaterrense. «(…) após a realização das obras na nossa sede, chegou a hora de ligar a sede à rede de saneamento básico, mas como estamos a passar por uma grande dificuldade financeira, solicitávamos ao sr. Presidente se pudesse fazer mais um donativo para que possamos fazer a ligação estamos a falar de um valor de 250Euros aproximadamente é esse o valor que as Águas do Ribatejo nos pedem para fazer a ligação.»

E no mês de Agosto, o Clube Amador de Pesca recebeu o apoio de 350 Euros da Junta de Freguesia de Glória do Ribatejo.

A compra da propriedade onde se encontra a sede pelo Tesoureiro da colectividade

Um mês depois de terem assinado o segundo protocolo com a Câmara Municipal, ficamos a saber que o tesoureiro do Clube Amador de Pesca, Silvestre Nunes Caneira tinha comprado o Prédio Misto, denominado Largo do Pinheiro à senhora Maria Clotilde Teixeira Rocha Antelo (filha do Ti Manel Rocha).

A venda da parte urbana foi feita pelo preço de 49 mil euros e a parte rústica pelo valor de mil euros. Também conseguimos apurar através da escritura que ficou no Livro 193 – A, folhas 135, 136 e 137, do cartório notarial de Clara Maria Pereira dos Santos Rodrigues, em Salvaterra de Magos.

Segundo o “Ribatejo News” apurou, o preço estipulado foi pago do seguinte modo: a quantia de 30 mil Euros no dia da escritura (19 de Outubro de 2018) por transferência bancária e que o remanescente, no montante de 20 mil Euros, irá ser pago em cinco prestações, trimestrais, iguais e sucessivas, no montante de quatro mil euros, cada, vencendo-se a primeira no dia 21 de Janeiro de 2019.

Afinal esta nova sede social é propriedade de quem? Do Clube Amador de Pesca ou do tesoureiro? Foto: H.E – D.R

E como é que tivemos acesso à cópia desta escritura? Mais uma vez em finais de Janeiro, um sócio do Clube Amador deixou essa cópia na caixa de correio com a seguinte missiva:

«O senhor até agora ainda não escreveu uma linha sobre o Clube Amador de Pesca da Glória, mas olhe que a sede está a ser feita no terreno que foi comprado pelo tesoureiro. E mais uma vez os sócios não foram vistos nem achados nesta negociata. Não acha muito estranho que a Câmara Municipal tenha ajudado nas obras de uma colectividade que afinal está no terreno de um privado e que é tesoureiro da associação? É para isto que servem os nossos impostos? Mas que vergonha é esta?».

Confesso que fiquei pasmo quando vi a cópia da escritura, mas como andava às voltas com o site do “Ribatejo News” decidi ficar tranquilo e ir fazendo as investigações sem pressa. Aliás uma Reportagem só tem sabor para o repórter quando se começa a compreender que a “bota não bate com a perdigota”. Como é este o caso.

As perguntas e a resposta do presidente Hélder Esménio

Com o projecto “Ribatejo News” a funcionar quase na sua plenitude e nas vésperas da inauguração da nova sede social do Clube Amador de Pesca da Glória do Ribatejo decidimos ouvir os protagonistas desta história. No dia 31 de Maio, enviamos as seguintes perguntas ao presidente da Câmara Municipal:

«Na qualidade de Jornalista Profissional (C.P 552) e Editor do jornal digital “Ribatejo News” venho por este meio fazer-lhe umas perguntas, para concluir uma REPORTAGEM que estou a efectuar sobre essa mesma colectividade.

Aguardo a sua resposta a todo o instante, para que a mesma reportagem possa ser editada.

1. O senhor presidente sabia que o ofício que lhe foi enviado no dia 8/5/2018 e onde se pode ler que “(…) abdicamos do espaço que tínhamos no hotel Jackson para uso próprio desta associação estando livre para o Senhor a utilizar” não foi discutido em Assembleia pelos sócios da colectividade?
2. No protocolo que foi aprovado na reunião do dia 19 de Setembro de 2018, sabia se existia um arrendamento daquele espaço por parte do Clube de Pesca?
3. Sabe que aquela propriedade em que se encontra a sede actual do Clube de Pesca foi comprado pelo actual Tesoureiro da colectividade e está devidamente escriturado desde o dia 19/10/2018?
4. Qual o valor dos materiais que a Câmara Municipal ofertou ao Clube de Pesca?
5. É possível contabilizar as horas despendidas pelos funcionários camarários que trabalharam nas obras da referida sede?
Nunca acreditei que o senhor presidente Hélder Esménio desse resposta, mas a verdade é que no dia 1 de Junho ele nos enviu esta mensagem:

«Bom dia caro jornalista.

O que lhe posso dizer sobre o assunto é que o âmbito dos apoios que damos às associações está previsto em regulamento.
São apoios financeiros, em materiais, mão-de-obra, em equipamentos, transportes, técnicos e até jurídicos .
Apoiamos instalações e recintos , eventos pontuais e até a actividade regular, entre outros.
A associação que refere teve já apoios regulares à sua actividade, teve apoios para aquisição de um  revestimento (ladrilhos) para o chão e também com alguns materiais (inertes, pavê, etc) essencialmente para compor o pátio que apoia a sua sede social que foi arrendada, tanto quanto me foi dado saber a um preço bastante baixo que a associação considerou compatível com as suas disponibilidades.
O Presidente de Câmara não se intromete na gestão das associações, mas sabe – porque lhe foi dito- que esta tinha a ambição de ter um espaço mais amplo do que uma mera sala de reuniões  no espaço Jackson por isso acarinhamos esta ideia que está agora concluída o que evidencia bem o trabalho feito pelos associados envolvidos, pois neste caso não tivemos recursos humanos do Município envolvidos nessas obras, ao contrário do que já sucedeu em outras associações da mesma e de outras freguesias.
A solução de arrendar, quem é o proprietário e as condições em que esse arrendamento é feito não incumbem à Câmara Municipal, tanto mais que essa solução, na impossibilidade de atribuirmos espaços municipais a todas as associações, não é virgem no nosso e em outros concelhos.
Mais informo que é minha intenção propor que o espaço disponibilizado por esta associação no Jackson seja atribuído aos Escuteiros da Glória do Ribatejo que têm vindo a solicitar mais espaços para o desenvolvimento da sua actividade.
Melhores cumprimentos.”
Todo este chão foi feito com os materiais fornecidos pela Câmara Municipal
Foto: H.E – D.R
Ou seja, importa apurar o seguinte: para além dos apoios fornecidos ao abrigo de dois protocolos que foram referenciados atrás, quanto é que foi gasto em material, mão de obra, transportes e apoio técnico com a recuperação de uma sede que afinal está no terreno que foi adquirido pelo tesoureiro?
Voltamos à carga junto do presidente da Câmara Municipal:

Mas o senhor presidente sabe que esta propriedade onde se encontra a sede foi comprada pelo actual tesoureiro do clube?

Ou seja, a sede do Clube de Pesca está na propriedade do actual tesoureiro. E foi isso que gerou alguma polémica na Glória e sobretudo muitas queixas de sócios e ex-sócios.

Gostava que me respondesse a esta questão!

E não é que Hélder Esménio respondeu mesmo:

«Caro jornalista.

Não me recordo de mo terem dito, mas sinceramente não me parece relevante.

Arrendar uma casa de um associado ou dirigente desde que seja a preços que não excedam os de mercado não é condenável – é uma mera apreciação pessoal, pois a CM não se envolve numa relação comercial dessa natureza, pois ela depende apenas das partes envolvidas.

Creio bem que é precisamente essa ligação sentimental ao Clube que pode ter facilitado o arrendamento, ainda mais a preços tão módicos.

A localização é boa, o projecto de dinamização do clube através do reforço do convívio entre associados poderá ser positivo quer na captação de mais associados , quer na recolha de mais verbas para incrementar a prática desportiva.

Foi nisto que pensei quando decidimos ajudar o Clube , à imagem do que temos feito com tantas outras associações.

As motivações pessoais de uns e outros desconheço totalmente.

Mas confesso-lhe que fiquei também e muito agradado com a saída deles do Jackson pois isso vai permitir ajudar também os Escuteiros como lhe referi anteriormente.

Melhores cumprimentos.»

Não recebemos nenhuma resposta do presidente do Clube Amador de Pesca

O presidente do Clube Amador de Pesca da Glória, Custódio Dias Nunes Gomes, foi contactado pelo Facebook para clarificar todas estas questões. Também lhe foi enviada uma lista de perguntas por email, no dia 31 de Maio, mas a verdade é que até ao momento em que escrevo esta Reportagem não chegou nenhuma resposta a estas questões:

Caríssimo Custódio Gomes,
Na impossibilidade de o meu camarada José Peixe estar aí pessoalmente na sede dos pescadores para falar consigo, devido a compromissos inadiáveis e relacionados com problemas de Saúde, tal como ficou combinado entre vocês, via Facebook, venho por este meio enviar-lhe algumas perguntas, para que possamos concluir uma reportagem.
Como o Peixe já fez questão de lhe explicar, você não é obrigado a responder a nenhuma questão, mas as regras definidas na Lei de Imprensa e no Código Deontológico dos Jornalistas, obrigam a ouvir todas as partes envolvidas.
Ainda se levantou a hipótese de eu poder deslocar até à Glória ou o Mário, mas também temos outros compromissos e a entrevista vai ter que ser feita via email. Peço desculpa!
Aqui seguem as perguntas:
– No ofício que você enviou para o senhor presidente da Câmara Municipal, no dia 8 de Maio de 2018 e onde sublinha que “(…) abdicamos do espaço que tínhamos no hotel Jackson para uso próprio desta associação estando livre para o Senhor o utilizar” chegou a ouvir os sócios do clube sobre esta matéria ou você mesmo é que tomou esta decisão?
– Quais foram as principais razões que justificam a dispensa do espaço que tinham no hotel Jackson?
– O clube chegou a fazer algum contrato de arrendamento daquele espaço à dona Maria Clotilde Teixeira Rocha Antelo?
– Tendo aquele espaço sido adquirido pelo Tesoureiro do Clube Amador de Pesca no dia 19 de Outubro de 2018, considera normal que tenha sido a Câmara Municipal a fornecer material para as obras que se fizeram na sede?
– Existem actas a comprovar que os sócios do Clube foram informados que aquele espaço foi adquirido pelo actual tesoureiro da colectividade?
– Sendo aquele espaço propriedade privada como é que se pode explicar aos sócios e aos glorianos que a sede pertence efectivamente ao Clube de Pesca?
– Na sua opinião porque é que nos últimos dois anos houve muitos sócios a apresentarem a demissão do Clube? Existem algumas razões específicas para isso?
– Acha perfeitamente normal que tenha sido a Câmara Municipal a fornecer os materiais para o novo espaço do Clube de Pesca apesar de ser privado?
– Existe algum contrato de arrendamento com o actual proprietário? Como é que funciona esta parceria? Não se importa de explicar.
A indignação de alguns sócios e cidadãos glorianos
“Não consigo perceber como é que o presidente da Câmara e o vereador Noel Caneira, reconstruiram toda esta sede do Clube de Pesca sabendo que aquela propriedade foi comprada pelo tesoureiro da associação. Isto é um escândalo absurdo e que deve ser denunciado”, disse ao “Ribatejo News” um associado que pediu o anonimato.
O presidente do Clube Amador de Pesca não se livra das seguintes acusações: “Há muito tempo que os sócios não são convocados para assembleias gerais. Não existem nenhumas actas e se houver estão forjadas. E aquela colectividade pertence a dois sócios. Ao presidente e ao tesoureiro. É por isso que as pessoas se têm vindo a afastar da colectividade”.
“Todos nós sabemos que um dos maiores sonhos do tesoureiro do Clube de Pesca era ter uma taberna ou uma casa de petiscos. Utilizou o Clube de Pesca para conseguir concretizar esse sonho. Mas não fica bem esta sua atitude. Só espero que o presidente de Câmara actue, porque senão eu e outros sócios fazemos denúncia no Ministério Público”, afirmou à nossa Reportagem o sócio da colectividade.
O “Ribatejo News” também conseguiu apurar junto de alguns sócios demissionários que vai ser criado uma nova associação de pesca na Várzea Fresca. E quem está a dinamizar esse projecto são alguns sócios que já se demitiram do Clube Amador de Pesca da Glória do Ribatejo.
Para concluir convém levantar as seguintes questões:
– Afinal de contas a sede do Clube Amador de Pesca da Glória do Ribatejo pertence a uma associação pública? É propriedade de um privado? Ou…
O presidente Custódio Dias Nunes Gomes é que poderá responder a todas estas questões. Nós limitámo-nos a fazer o nosso trabalho.
Quanto ao presidente da Câmara Municipal limitou-se a publicar na sua página do Facebook uma dezena de fotografias no dia da inauguração da sede (dia 2 de Junho de 2019) e escreveu o seguinte:«Parabéns ao Clube Amador de Pesca da Glória do Ribatejo pela inauguração da sua nova sede social.Desejo sincero de captação de novos praticantes, de bons resultados desportivos e de sã camaradagem.»
Reportagem de José Peixe – Editor do “Ribatejo News”
Fotos retiradas da página do presidente Hélder Esménio – D.R

 

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close