Sociedade

Juiz decide prisão preventiva para 7 dos 8 detidos por tráfico de mulheres

O juiz Carlos Alexandre aplicou a medida coactiva de prisão preventiva a sete dos oito detidos indiciados por tráfico de seres humanos, enquanto membros de uma rede internacional que se dedicava à exploração sexual de mulheres.

Fonte do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) adiantou à Lusa que o oitavo membro, taxista de profissão, saiu em liberdade, mas com a obrigação de apresentação periódica às autoridades, no final do primeiro interrogatório judicial, realizado no Tribunal Central de Instrução Criminal.

O SEF tinha desmantelado na segunda-feira aquela rede, ao deter os oito cidadãos estrangeiros no distrito de Aveiro.

Em comunicado, o SEF adiantara que os oito cidadãos estão indiciados de tráfico de seres humanos, associação criminosa, lenocínio agravado e branqueamento de capitais e pertencem “a um grupo criminoso organizado” que se dedica à exploração sexual de mulheres.

Ainda segundo o SEF, as detenções foram feitas em Albergaria-a-Velha, Ílhavo e Gafanha da Nazaré, no distrito de Aveiro, tendo este serviço de segurança realizado oito mandados de detenção, 12 buscas domiciliárias e outras 12 buscas a viaturas.

No âmbito da operação, denominado “El Pibe”, o SEF apreendeu seis viaturas, ouro, joias, dinheiro e documentos falsos, tendo ainda realizado buscas a duas agências de transferência de dinheiro bem como a uma agência de viagens.

O SEF sublinhou que este grupo, que operava em Portugal e outros países de União Europeia, aproveitava-se da vulnerabilidade das vítimas, que muitas vezes assenta “em famílias desestruturadas, com parcos rendimentos económicos e sem nenhuma ou baixa auto-estima, com episódios de violência doméstica e consumo de álcool e droga”.

Aquele serviço de segurança frisou que as vítimas, todas mulheres, não exerciam a prostituição de livre vontade e eram utilizadas como objectos para ganhar dinheiro, sendo uma forma de pagar dívidas e comissões impostas pelo líder da associação criminosa.

O SEF precisou que as mulheres “eram consideradas e tratadas como coisas ou objectos que proporcionam avultados proventos financeiros”, além dos exploradores aproveitarem o facto de as vítimas não terem suporte familiar e relações seguras para aumentarem “os seus poderes de persuasão, manipulação e intimidação”.

Nesta operação, o SEF contou com a colaboração de elementos da Equipa Multidisciplinar de Apoio à Vítima para garantir protecção e apoio psicológico às cerca de 20 mulheres sinalizadas.

Participaram na operação “El Pibe” 110 inspectores do SEF, analistas da Europol e elementos das autoridades congéneres de países da União Europeia.

A investigação do SEF começou em Dezembro do ano passado, tendo sido conduzida em articulação com a Europol, de forma a garantir um combate transnacional a este fenómeno.

Fonte: Sapo24 Notícias

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close