DesportoOpinião

Opinião: Cristiano Ronaldo faz recordar o Faustino (Vitória de Setúbal) e Carlos Manuel

Havia um jogador do Vitória de Setúbal que dava pelo nome de Faustino. Marcava pontapés de baliza, lançamentos da linha lateral, livres e penáltis. Não deixava nada para os outros.

Com base nessa memória, os jogadores do Benfica passaram a chamar “Faustino” a Carlos Manuel, que também gostava de estar em todas. Tal como este anormal que dá pelo nome de Cristiano Ronaldo que tem como apelido Aveiro mas nasceu no Funchal, nas cotas mais altas, para onde os pobres foram empurrados.

Para o jornalista Eugénio Queiros o capitão Ronaldo faz-nos recordar o Faustino (V. Setúbal) e o Carlos Manuel (Benfica) Foto: D.R

Como era sempre a descer, o Faustino III veio por ali fora de escantilhão, passou por Lisboa, deu um salto a Manchester, embrenhou-se no caliente madrileno e agora está em Turim, bem mais perto do sítio onde se fazem os Ferraris que vai arrumando na sua garagem.

Com 34 anos feitos em Fevereiro, escapou já à crucificação que parece estar destinada às grandes figuras da história e vai escapando às comparações com um pequenote argentino que joga no Barcelona. Esta semana, marcou três golos no Estádio do Dragão e deu mais uma vitória a Portugal. Já ali tinha marcado com a camisola do United, lembram-se?, eu sei que sim, apesar de a memória hoje ter pavio muito curto.

Quando os focos estavam todos sobre o miúdo João Félix, que mais recentemente tinha marcado ali, não se esquecendo de uma genuflexão bem diferente da de Jorge Jesus quando ali perdeu um campeonato, eis que emerge de novo, em todo o seu esplendor, o tal miúdo pobre que veio de escantilhão a caminho da fama, da celebridade e da riqueza. Mas que, por incrível que pareça, continua a ter um prazer incrível em jogar futebol.

Cristiano Ronaldo brilhou uma vez mais no jogo frente à selecção helvética
Foto: D.R

O dinheiro não traz felicidade, o que realmente nos realiza é o que fazemos. E Cristiano Ronaldo, o menino assim chamado em homenagem ao crucificado e a um antigo presidente dos Estados Unidos que foi estrela em Hollywood, gosta daquilo que faz.

Deixem-no, por isso, continuar a honrar a memória do Faustino.

Eugénio Queiros – Jornalista (ex-companheiro na “Gazeta dos Desportos” e de curso)

Mostrar mais

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Back to top button
Close
Close